terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Inania Verba / Três da Tribo

Inania Verba

E ela chegou no seu vestido demasiadamente preto. Foi dela a nobreza de um primeiro gesto. Tocando meu braço, perguntou-me como andava a vida.

E eu queria saber dizer. Eu poderia, na verdade. Mas é que o mundo gira muito mais rápido agora, entende? E o que eu falo nesse agora, já não é mais o que eu falaria há um minuto. As estações não se sucedem; dentro da gente, elas se imbricam. Existe tanto a ser dito. Eu não gostaria de, simplesmente... Entende? Não é tão fácil assim amassar e amansar tudo isso num só peito sem sangrar, sem gritar, sem fugir. E eu não queria nem gritar, nem fugir. O mal que é bem, e não se sabe. Não é fácil, entende? E se a palavra mal cuidada escapa, e se o vento fecha olhos e ouvidos, e se ele leva tudo pra outra ponta da margem do sentido? É muito perigoso pensar em dizer. É preciso silêncio. Eu preciso de silêncio pra pensar, pra dizer. Mas, com você, há crianças e velhos rabugentos discutindo em cada canto da minha criação e, quem sabe... Entende? É como olhar a árvore (reta, força, cor e céu) e pensar na raiz: o real está além do que se vê. Eu precisava me perder pra não te perder, e nos perdia.

- Bem, bem... E a sua?
(por Filipe Couto)


1 - Eu, Chris Ramalho (que escreveu o prefácio do meu livro) e Eliane Vieira (querida amiga, ex-companheira de licenciatura) criamos um blogue para reunirmos nossas experiências em sala de aula e algumas de nossas tentativas artísticas diversas. O "TRÊS DA TRIBO" pode ser acessado pelo link: http://www.tresdatribo.blogspot.com/ . Lá, vou contribuir, quinzenalmente, com análises de textos e com a produção de contos, como este "Inania Verba", que publiquei acima.

2 - Meu livro ("Breves Cantares de Nós Dois") já está na Livraria da Travessa e na livraria do Arteplex Unibanco, mas também pode ser encomendado, é claro, pelo site da editora: 
http://www.editoramultifoco.com.br/literatura-loja-detalhe.php?idLivro=49&idProduto=49 .

3 - Não abandonei as poesias aqui do blogue, não! Ainda este ano eu volto com coisa nova, como já prometi!

4 - "Inania verba", em latim, significa "palavras inúteis" e é título, também, de um famoso poema do mestre Olavo Bilac.

Beijos e abraços!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

BREVES CANTARES DE NÓS DOIS - 9

Pessoal, tive a honra de participar de um dos mais tradicionais programas da tv brasileira, o SEM CENSURA (TV Brasil), para lançar o "Breves Cantares de Nós Dois". Para quem não pôde assisitir, eis aqui uma pequena amostra!


Beijos e abraços!

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

BREVES CANTARES DE NÓS DOIS - 8

Olá!

1 - Meus amigos, a primeira tiragem já está esgotada! Que beleza, não? Mas a editora já estava aprontando mais exemplares; então, ninguém vai ter que esperar para ter o seu! Basta acessar o link: http://www.editoramultifoco.com.br/catalogo2.asp?lv=183 .

2 - Para acessar algumas das fotos do evento de lançamento do livro, como esta abaixo, clique no link: http://picasaweb.google.com/brevescantares/Lancamento# .


Filipe Couto ao lado de Priscilla Frade

durante a apresentação de 12/11 no espaço Multifoco

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

BREVES CANTARES DE NÓS DOIS - 7

Olá!

1 - Queridos e queridas, o livro já é um sucesso e tanto! A primeira edição vai se esgotar em breve! Quem quiser um exemplar, por favor entre em contato logo comigo (filipecouto@uol.com.br) ou com a editora (http://www.editoramultifoco.com.br/catalogo2.asp?lv=183 ).

2 - Volto a escrever poemas novos em dezembro!

3 - Deixo hoje aqui três vídeos da apresentação que a Priscilla Frade e eu fizemos no dia 12/11, lá no Espaço Multifoco! As fotos do evento irão para um álbum virtual em breve! Aliás, quem as tiver, por favor, passe pra mim!



Beijos e abraços!

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

BREVES CANTARES DE NÓS DOIS - 6

1 - Meu coração bate rápido ainda agora, quando me lembro do que aconteceu ontem à noite, no lançamento do Breves Cantares de Nós Dois.

2 - Mais de duzentas pessoas conseguiram estar lá presentes (sei que muitas outras gostariam de comparecer, mas tiveram seus contratempos e afazeres). Mais de 130 livros foram por mim assinados com a maior alegria do mundo. Foi um dos maiores lançamentos de poesia do mercado editorial brasileiro. Isso tudo graças a vocês.

3 - Espero que todos tenham percebido a felicidade nos meus olhos e na minha voz! Obrigado a todos pela paciência de ficar às vezes quase uma hora na fila para pegar minha dedicatória e me dar um abraço. Foi difícil não ir às lágrimas em alguns momentos.

4 - Recebi inúmeras mensagens (e vocês não têm ideia de como é bom recebê-las!) elogiando não só o livro, mas também o ambiente fraterno, divertido e emocionante em que tudo aconteceu. Pra mim, foi tudo perfeito!

5 - Como eu disse durante a apresentação com a Priscilla Frade (que, como sempre, arrasou!), é muito comovente saber que existem pessoas que memorizaram poemas inteiros para repeti-los pra mim, que cantarolaram Sobre Desejos, Sobre a Verdade e Sobre Gavetas durante o show, que aplaudiram efusivamente cada récita. Pessoas, enfim, que entraram em catarse, como eu entrei. Fico tímido, sem falsa modéstia, diante de um carinho tão grande assim com o meu trabalho.

6 - Queria, mesmo que tarde, agradecer à Sâmia, minha editora, a quem eu devo a iniciativa do livro e o cuidado extremo na produção. Se Breves Cantares de Nós Dois ficou tão bonito, foi graças ao trabalho dela!

7 - Enquanto não chega às livrarias (não sei quando isso vai acontecer), aqueles que quiserem um exemplar podem entrar em contato comigo pelo email filipecouto@uol.com.br , ou com a Editora Multifoco pelo canal http://www.editoramultifoco.com.br/literatura-loja-detalhe.php?idLivro=49&idProduto=49. Faremos de tudo para que o livro chegue às suas mãos o mais rápido possível!

8 - Em breve, divulgo aqui as fotos e os vídeos do evento. Aliás, quem tiver esse material entre em contato comigo, por favor, para que a gente possa fazer um álbum geral bem bacana à disposição de todo mundo!

9 - Obrigado, mais uma vez, por me fazerem todas as semanas uma pessoa mais feliz!

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

BREVES CANTARES DE NÓS DOIS - 5

1 - Queridos e queridas, é amanhã! Dá um friozinho na barriga danado (na verdade, é um congelamento total) colocar esse "filho" no mundo, sabiam?

2 - Muita gente tem me perguntado qual é a altura do Espaço Cultural Multifoco, que é onde ocorre o evento! Ele fica na Rua Mem de Sá (já sabíamos). Depois dos Arcos da Lapa, passando pelo Teatro Odisseia e pelo restaurante Nova Capela, você já está quase lá! É do lado direito da rua, no número 126, não se esqueçam! O telefone da casa é 2222 - 3034.

3 - Não há hora "certa" para chegar, não! Até umas 22h30 ou mais, estarei lá com certeza!

4 - Não tenham medo de chuva, né? =)


Beijos e abraços a todos!


quarta-feira, 4 de novembro de 2009

BREVES CANTARES DE NÓS DOIS - 4

1 – Como já disse a vocês, o prefácio do meu livro foi escrito pela Christina Bielinski Ramalho – amiga, poetisa e doutora em Ciência da Literatura. É um dos maiores gênios que eu conheço. Uma pessoa com extrema sensibilidade e com uma capacidade de trabalho assustadora. Hoje, ela vive em Madrid, Espanha, e por isso não poderá estar presente ao evento para que vocês possam conhecê-la pessoalmente. No entanto, quem quiser entrar em contato com um pouco da produção atual dela pode acessar o seu blogue Sob o Signo do Ar.

2 – A capa foi pensada e realizada por Daniel Moura, grande amigo de infância e de adolescência. No Colégio Militar do Rio de Janeiro, era o único jogador menor que eu no time de basquete. Hoje, ele é sócio-diretor da empresa Chalk Studio, um dos grandes escritórios de design do país. Criativo e competentíssimo, ele conseguiu captar a essência do livro num jogo de imagens e cores coerente e elegante, tão moderno quanto tradicional. Hoje, deixo para vocês a capa (apenas a frontal: as orelhas e a quarta capa do livro vocês conhecerão no dia 12 de novembro, às 19h, na Avenida Mem de Sá, 126, Lapa =)).

Beijos e abraços!

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Breves Cantares de Nós Dois - 3

1 - Primeiro, quero deixar clara a minha alegria pelo apoio que recebo todos os dias no twitter, no msn, no facebook, no orkut, no meu email, nos comentários aqui, nas conversas do cotidiano, no aumento do número de visitas ao blogue... Obrigado, de verdade!

2 - Completamos esta semana 20.000 mil visitas individuais e 42.000 cliques (pessoas que entram mais de uma vez por dia) aqui! Cada visita dura, em média, 4 minutos e meio, é bom que se diga. Uma quantidade dessas de gente lendo poesia, mesmo que por cinco minutos, já me dá uma sensação danada de dever cumprido!

3 -
Descobri, também, que 47 (!!!) pessoas têm poemas meus nos seus perfis do ORKUT. Como nem todos deixam suas páginas pessoais visíveis, trata-se de um número impressionante... Pena que muitas delas eu não conheço para, pelo menos, agradecer a referência.

4 - O lançamento do "Breves Cantares de Nós Dois" vai fechar esse ciclo de uma forma belíssima, tenho certeza. Lembrando: tudo acontece no dia 12 de novembro, às 19h, na av. Mem de Sá, 126 - Lapa.

5 - Hoje, quero deixar um trecho do gentil, cuidadoso e elogioso prefácio escrito pela poetisa e doutora Christina Ramalho:

Breves cantares de nós dois é, enfim, um delicioso convite a reviver o amor como desejo, fantasia, realidade, dor, fonte de reflexão, fonte de amadurecimento. Em versos rimados ou não, livres ou não, Filipe Couto se faz um belo exemplo de arauto do amor, que simplesmente deseja:

Que seu amor não seja chegada,
mas partida, e que cada despedida
conserve a gravidade e a ternura
da perda original e definitiva.

Que a leitura do livro resgate o arauto em cada um de vós.

6 - Os poemas novos voltam em breve, prometo mais uma vez! Mas antes preciso descobrir que caminho seguir... E tenho convicção de que isso só vai acontecer mesmo com a publicação deste livro primeiro! Obrigado, também, pela compreensão!

Beijos e abraços!

P.S.: O show está ficando especial! ;)

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Breves Cantares de Nós Dois - 2

1 - Alguns lançamentos de livro são muito chatos: o autor se distancia dos leitores como se fosse um super-herói, detentor do segredo das palavras que meros mortais não são capazes de entender, apenas de reverenciar.

2 - Como tenho verdadeiro pavor de eventos assim, o lançamento do meu livro vai ser diferente!

3 - A ideia é fazer mesmo uma festa, uma celebração; afinal, todas as pessoas que lá vão estar me são queridas, mesmo que não as conheça pessoalmente, e merecem aproveitar esse momento tanto quanto eu.

4 - Por isso, teremos lá um show, preparado com muito carinho, em que vão estar presentes, além de grandes sucessos da nossa música que têm relação com o livro, as composições que fiz em parceria com a Priscilla Frade, leituras dos poemas do livro e outras surpresas!

5 - Reforçando, a festa vai acontecer no dia 12 de novembro, às 19h, na av. Mem de Sá, 126 - Lapa.

6 - Quem quiser saber notícias do evento com maior frequência, siga-me no twitter: http://twitter.com/filipecouto .

7 - Como prévia, não custa nada deixar hoje aqui, reunidos, os links de alguns dos poemas musicados que vão fazer parte do evento!



8 - Vou voltar a atualizar este blogue com poemas novos em breve! Prometo!

Beijos e abraços!

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Breves Cantares de Nós Dois - 1

1 - Há dois anos e meio comecei este blogue com o intuito de tirar meus poemas da gaveta e trilhar novas viagens (leia mais aqui).

2 - A participação de todos vocês, sem exceção, sempre foi muito importante. Os poemas comentados, os inseridos em perfis do orkut , em blogs e fotologs me enchem de orgulho. Ter a companhia de mais de 300 pessoas toda semana aqui é algo fantástico!

3 - Essa participação de vocês é tão importante que, em junho de 2007, um amigo, acidentalmente, acabou me dando uma ideia que me pareceu genial. Com a publicação do poema Sobre o Futuro, ele me perguntou: "você também pensou por que esse cara largou a mulher?". E assim surgiu o poema Sobre Tempestades, como resposta à pergunta dele. A questão é que eu tomei gosto por esse processo e, a partir daí, não parei mais de fazer poemas que dialogassem entre si!

4 - Pois é, meus caros! O que poucos de vocês sabem é que os poemas deste blogue contam uma história...!!!

5 - Aqui no blogue, eles estão, é claro, fora de ordem, mas falam de um casal que, a partir do amor (e de suas dores), sai numa viagem rumo ao autoconhecimento.

6 - "Mas em que ordem os poemas devem ser lidos para que a narrativa faça sentido?", alguém pode se perguntar.

7 - Só vai descobrir isso quem ler meu primeiro livro de poemas, editado pela Multifoco: "Breves Cantares de Nós Dois". =)

8 - Segundo a poetisa Christina Ramalho, que gentilmente fez o prefácio: "Impossível ler o livro sem recordar as próprias perdas, os amores vividos e os vívidos, os pequenos detalhes que sobrevivem às tempestades, as torturas e as delícias de amar. "

9 - O lançamento vai acontecer no dia 12 de novembro, às 19h, na av. Mem de Sá, 126 - Lapa.

10 - Nas próximas semanas, vou contando aqui mais detalhes desse evento! O que vocês acharam?!

11 - Conto, de verdade, com a presença de todos lá! Um grande abraço!

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Poema 135

Atenção, atenção!

Se tudo der certo (e vai dar!), uma grande novidade a ser anunciada aqui na semana que vem!
Fiquem ligados!

Abraços e beijos!

Sobre Renascimentos

Nada se exclui
em definitivo:

a mancha que resiste
ao quadro ausente da parede.

Tudo pode renascer,
ainda que abafado
ou escondido.

Tudo pode renascer,
na mudez do abraço,
sem a ousadia do grito.

É a sombra
(e não o escuro)

o prenúncio
da claridade
.
(por Filipe Couto)

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Poema 134

Mais um da série "poemas saídos da gaveta". Até semana que vem!

Sobre Espantos

É só no escuro
que enxergamos
um ao outro

(as mãos atônitas
a cada movimento,

cortando o silêncio
como adagas).

Juntos,
amamos como crianças
que descobrem a madrugada.

(por Filipe Couto, 05/2007)

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Poemas 131, 132 e 133

Queridos e queridas, o trabalho anda me exigindo muito. Por isso, deixo hoje aqui, com uma ou outra adaptação, três poemas bem antigos. Volto a atualizar este blogue daqui a duas semanas, no dia 22 de setembro. Um forte abraço a todos!

Sobre Cuidados


É cedo ainda pra saber
tudo o que não sei. Não desperto

(antes da hora) os amores
que não tive ou que não amei.

Por enquanto, vou me juntando
nos sussurros dos muitos que sou.

Não como alguém que se precisa,
mas como quem se abre pro voo.
(por Filipe Couto, 07/2006)

Sobre Esperanças


Não preciso de primavera:
é só no outono que acaba a espera;

só no outono as folhas vêm à mão.

De cada ramo caem centenas delas.
Até que uma nos acerta gentilmente

o coração.
(por Filipe Couto, 09/2002)

A Menina dos Teus Olhos

Bem atrás desses teus olhos
(hoje tão cansados de ser)

ainda mora uma menina
lambuzada de sonho e tinta,

descobrindo o mundo inteiro pra mim.
(por Filipe Couto, 08/2000)

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Poema 130

Com essa publicação, disponibilizo o áudio deste poema e, também, o do poema 1oo, Sobre o Fim. Para chegar rapidamente a ele, clique aqui. Volto a atualizar este blogue depois do feriado, no dia 8 de setembro.

Sobre Presenças

A presença
ondula... ondeia...

num mar alto
a um só tempo
tão certo quanto instável.

Neste mundo arredio,
nem tudo se vê.

Há coisas lindas
que se esquivam da luz.

Não você...
(por Filipe Couto)

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Poema 129

Com essa publicação, disponibilizo também o áudio do poema 18, Sobre Covardias. Para chegar rapidamente a ele, clique aqui.

Autopsicografia

Se me dou inteiro
às palavras que escrevo

(minha pele, minhas roupas,
meu gosto, meu cheiro),

é por muito querer viver,
e não porque vivi.

Perco-me todo
num conto inventado:

minha vida não cabe em mim
.
(por Filipe Couto)

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Poema 128

Com essa publicação, disponibilizo também o áudio do poema 30, Sobre Cicatrizes. Para chegar rapidamente a ele, clique aqui.

Casamentos Inesperados

Numa noite
em que a lua e a chuva

se combinavam
para criar-te estrelas
nos cabelos,

pediste-me uma chance
para mudar meu mundo
sem sequer conhecê-lo.

Dei-me.

(Lua, chuva, estrela:
quem se nega à tanta beleza?)

(por Filipe Couto)

terça-feira, 14 de julho de 2009

Poemas 126 e 127

Queridos, entro de férias e, por isso, só volto a atualizar este blogue no dia 11 de agosto. Com esta publicação, disponibilizo também o áudio do poema 49, Sobre Sonhos. Para chegar rapidamente a ele, clique aqui. Beijos e abraços!

Metade

Que o amor
me livre desse peso
de escolher caminhos,

de poder ser
qualquer coisa
em qualquer tempo,

de viver sempre em liberdade.

Que o amor
me consuma até o meio,

e que seja dela
a minha outra metade.

(por Filipe Couto)


Sobre Falsas Liberdades


Teu cheiro, teu beijo, teu abraço:
para onde vão eles
depois que te deixo

na companhia duvidosa
da rua e dos astros?

Por isso, meu amor,
é que te visto
inteira de agora:

é a sina
de quem te quer
livre para a vida,

mas te deseja retida
no peito e na memória.
(por Filipe Couto)

terça-feira, 7 de julho de 2009

Poemas 124 e 125

Com essa publicação, disponibilizo também o áudio do poema 65, Sobre Namoros. Para chegar rapidamente a ele, clique aqui.


Só Você

Com a doçura
das coisas mais simples
(e mais frágeis)

descobri hoje
que atrás dos teus ombros

escurece toda a paisagem.
(por Filipe Couto)


Sobre os Perigos de um Amor Escondido


Esconder o amor
é cultivá-lo, não esquecê-lo.

É sozinho, no silêncio
das paredes de vento,
regado com sonho, adubado com tempo,
que ele cresce glorioso, indomável, imenso.

No silêncio
(como a luz)
ele grita.
(por Filipe Couto)

terça-feira, 30 de junho de 2009

Poemas 122 e 123

Com essa publicação, disponibilizo também o áudio do poema 39, Sobre Pipas. Para chegar rapidamente a ele, clique aqui.

Sobre a Primavera

De dentro do meu amor,

nascem todo dia
perfumes e cantos e calores.

Uma primavera inteira
(cheia de cores)

só pra mim
.
(por Filipe Couto)
Para uma moça que, ignorando as investidas amorosas do poeta, insiste em só dar atenção a quem não lhe quer bem

Enquanto
eles todos te talham,

teus olhos,
moça,

me atalham
.
(por Filipe Couto)

terça-feira, 23 de junho de 2009

Poema 121

Vida (Mais que a Vida)
decidir se a vida merece ou não ser vivida é responder
a uma pergunta fundamental da filosofia"
Albert Camus
(à amiga Patrícia K.)
No último (?)
frêmito das asas,

todo o vigor da vida
que já não morava
ali.

Há sim quem precise
fechar os olhos

(e se deixar longe)

para enfim poder ver
e ir
.
(por Filipe Couto)

Com essa publicação, disponibilizo também o áudio do poema 55, Sobre Partidas. Para chegar rapidamente a ele, clique aqui.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Poemas 118, 119 e 120

Com esta publicação, uma novidade há muito solicitada por vários leitores: a versão em áudio do poema ao final do texto. Volto a atualizar o blogue daqui a quinze dias, em 23 de junho.

Não deixem de visitar o meu outro espaço: As Primeiras Palavras ! Beijos e abraços!


Sobre o Tempo – meditação em três poemas

1.
Mesmo que muito eu me persiga,
creio que nunca me alcanço:

tenho horas de muita pressa,
quando tempo é de descanso;

enquanto o passado me carrega,
o futuro já me está fitando.

2.
Foi o próprio tempo (esse mestre impreciso)
que fez de mim esse todo inconstante,

com seu baile indeciso entre ir e vir
(ora para trás, ora para diante),

às vezes combinando
tudo que ainda não foi
com tudo que já foi antes,

sempre mudando, sempre ficando,
sempre dançando, dançando, dançando...

3.
Por isso é preciso tornar-se
inquilino do instante

(passear aquém ou além do destino,
mas viver de verdade no limiar do durante),

dançar com o rosto colado ao tempo,
e fazer de si seu mais terno amante.

Porque talvez
só realmente se alcance

aquele que de si mesmo
nunca se faz distante.

(por Filipe Couto)

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Edição Especial

Comemorei meu aniversário no último dia 22, sexta-feira. No sábado, recebi da Priscilla Frade um presentão: o poema 36 (Sobre Gavetas ou Gaveta de Guardados) musicado de forma belíssima por ela.

Compartilho com as senhoras e com os senhores esse trabalho que é muito querido por mim e pela Priscilla: foi nossa primeira parceria, das muitas que ainda virão.


T
rata-se de uma versão produzida só com voz e violão, mas já dá pra ter uma boa ideia do que vai ser quando todos os instrumentos estiverem presentes.

Volto a publicar poemas inéditos no dia 9 de junho. Aliás, sei que andei relapso, mas prometo que vou responder a todos os comentários que vocês fizeram e que ainda vão fazer!


Beijos e abraços!

terça-feira, 19 de maio de 2009

Poemas 116 e 117

Cantiga

Quando parar de chover
(a alma já só umedecida)
ainda haverá dia, meu bem.

E entre as tantas ilhas d’água,
por todo lado espalhadas,

ainda haverá cigarras
(muitas e muitas cigarras)
perto, longe, onde-for,

zunindo bem alto
pra se deixar notar,

esperando um só olhar
pra se perder de amor.

(por Filipe Couto)

Sobre Vaidades


Por que
(distraída ao espelho)
só enxergas a ti mesmo,

e não a parte que te falta:

a parte em que
se encaixa exato
o espaço do meu beijo?
(por Filipe Couto)

terça-feira, 12 de maio de 2009

Poema 115

Sobre o Outono

Uma folha baila perdida
e se encaixa discreta
na gola da minha camisa:

também o outono
precisa de companhia.

(por Filipe Couto)

terça-feira, 5 de maio de 2009

Poema 114

Depois da Noite (ou Sobre Como Deixar o Dia pra Depois)

De repente
o mundo todo

num canto,

quando te encontro


amanhecendo num boteco
desses que você gosta.

A gente ri, se abraça e pede
pro portuga uma média
com pão na chapa,
enquanto o tempo

passa sério e apressado
buzinando um carro lá fora.

Olhos nos olhos,
tomamos a felicidade
num gole só
.

(por Filipe Couto)

terça-feira, 28 de abril de 2009

Poemas 112 e 113

Mulher de Malandro

Eu não devia mesmo te dizer
mas depois de tudo
que aconteceu

ainda sou capaz
de um monte de besteira

quando chega uma noite dessas
(toda nua, cheia de estrelas)

emoldurando um rosto assim
que nem o teu.

(por Filipe Couto)

Sobre Presságios


Sopra-me o coração
que não farei só
essa viagem.

Por isso meus olhos
caçam vultos,

meus ouvidos se interessam
por qualquer barulho:

ao arrepio dos sentidos,
pressinto cada um dos teus sinais.
(por Filipe Couto)

terça-feira, 14 de abril de 2009

Poemas 110 e 111

O primeiro poema de hoje é, na verdade, uma letra de música que me foi encomendada pela Priscilla Frade.

O outro poema, sintético e marginal, é dos que eu gosto de fazer, mas em geral não publico.


Volto a atualizar o blogue no dia 28 de abril.

Imagina

Quando esse moço
passa chegando da praia,
cheio de sol e mar no só-olhar,

será que ele sabe
que meu chão todo se abre,
e eu nem respiro mais?

Quando esse moço
fala, cheio de graça,
sobre uma besteira qualquer,

será que ele sabe
que eu paro tudo, até o tempo,
e fico até quando ele quiser?

Moço, chega perto teu ouvido
e ouve só comigo
o que eu tenho pra falar:

imagina só o que vai ser
se a gente se perder
quando a lua se apagar;

imagina só uma vida sem cortina,
cheia de avenida pra gente passear
(e se beijar, e se amar);

imagina se a gente namorar, moço,
imagina só se a gente namorar...

(por Filipe Couto)

Sobre a Lei Seca

Desde que te conheci,

não adianta mais esconder
minha vodca, meu uísque,

nem deixar
toda minha cachaça em casa:

só viver
já me embriaga.
(por Filipe Couto)

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Edição Especial

Há exatos dois anos, este blogue começava suas atividades.

Como forma de celebração, tenho a alegria de disponibilizar uma versão musicada do primeiro poema de "As Outras Palavras", "Sobre Desejos", na voz da cantora e compositora Priscilla Frade.

Volto a publicar poemas inéditos no dia 14 de abril, terça-feira.

Obrigado pelo carinho de sempre!
Beijos e abraços a todos!

video

terça-feira, 31 de março de 2009

Poema 109

"As Outras Palavras" comemoram aniversário esta semana. Para celebrar, na quinta, data em que completamos dois anos, haverá uma publicação especial. Até lá!

Sobre Sigilos

Não conheço teu corpo,
nem sei se me é possível sabê-lo;

mas moras em mim inteira,
táctil como um segredo.

E que ninguém jamais escute
tua voz desabotoando a minha boca,

nem perceba tuas mãos
desvestindo por dentro a minha roupa:

te quero assim (clandestina),
entre minhas paredes e cortinas,

deixando meus sonhos de pernas pro ar.
(por Filipe Couto)

terça-feira, 24 de março de 2009

Poemas 107 e 108


Pequena Oração em Canto

Que Deus sempre
me permita

ter olhos
fechados para o beijo

e abertos
para a vida.

(por Filipe Couto)

Sobre Sorrisos


Mal nossas mãos
se despedem,

eu me perco
de mim mesmo:

teu sorriso
é meu exílio voluntário.
(por Filipe Couto)

terça-feira, 17 de março de 2009

Poema 106


Sobre a Intimidade

Estamos um no outro:

mesmo na distância,
nossa rotina é permanecer.

Não se devolve
um pouso já conquistado.

Até nossos sonhos
(no escuro)
se esbarram.

(por Filipe Couto)

terça-feira, 10 de março de 2009

Poema 105


Sobre Viagens


Pôr-se (mesmo que inteiro) num navio
ainda não é navegar:

é preciso afastar corpo e mente das margens,
ver de longe a ponta do cais;

é preciso estar além das ondas, além das sombras,
além das rotas ou dos mananciais;

é preciso dar a cara pro vento,
sentir na pele o tempo distanciar;

é preciso desmanchar os sonhos,
perceber a razão da estrela e do mar;

é preciso transcender-se
para dentro

(que às vezes é próprio da alma
esse vício de ancorar).

(por Filipe Couto)

terça-feira, 3 de março de 2009

Poema 104


Eis que este blogue volta à sua atividade normal! Beijos e abraços!


Sobre um Dia de Carnaval

Sabe aquele teu jeito
de sambar com estilo,

balançando o vestido
pra lá e pra cá?

Pois é... no meio
daquele batuque todo,
daquela loucura toda,

meu coração
roubou tua boca

(e não quer mais largar).

(por Filipe Couto)

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Poema 103


Como pretendo viajar e ficar (bem) longe da internet nas próximas semanas, publico antecipadamente o poema do dia 27! Volto depois do carnaval, no dia 3 de março! Beijos e abraços!


Sobre Desabafos
“Deixa, deixa, deixa eu dizer/ o que penso dessa vida
Preciso demais desabafar”
Ivan Lins e Ronaldo Monteiro
E quer saber do que mais?
Dei mesmo um chute na rotina:

pendurei duas saudades e um futuro
pra tomar cerveja no bar da esquina

e acabei de vez com o silêncio daquele
amor-perfeito no canteiro do quintal.

Falando sério: depois de você,
a vida passou a ser essa coisa assim,
meio maluca, meio perdida, meio bandida

(mas, cá entre nós, maneiríssima).

(por Filipe Couto)

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Poemas 101 e 102


Volto a atualizar o blogue no dia 27 de janeiro!


Sobre o Autoconhecimento

Entre mim e mim,
há muitas distâncias,

cada uma deixando
perdida, escondida

uma parte
do que sou eu mesmo.

Eis o amor
como eu o vejo:

uma ponte que se cria
entre esses segredos.

(por Filipe C.)

Sobre este Calor do Rio de Janeiro

Quero mais é que você
se pinte de chuva

pra eu ir correndo na rua
me banhar e te beber...

(por Filipe C.)