terça-feira, 14 de abril de 2009

Poemas 110 e 111

O primeiro poema de hoje é, na verdade, uma letra de música que me foi encomendada pela Priscilla Frade.

O outro poema, sintético e marginal, é dos que eu gosto de fazer, mas em geral não publico.


Volto a atualizar o blogue no dia 28 de abril.

Imagina

Quando esse moço
passa chegando da praia,
cheio de sol e mar no só-olhar,

será que ele sabe
que meu chão todo se abre,
e eu nem respiro mais?

Quando esse moço
fala, cheio de graça,
sobre uma besteira qualquer,

será que ele sabe
que eu paro tudo, até o tempo,
e fico até quando ele quiser?

Moço, chega perto teu ouvido
e ouve só comigo
o que eu tenho pra falar:

imagina só o que vai ser
se a gente se perder
quando a lua se apagar;

imagina só uma vida sem cortina,
cheia de avenida pra gente passear
(e se beijar, e se amar);

imagina se a gente namorar, moço,
imagina só se a gente namorar...

(por Filipe Couto)

Sobre a Lei Seca

Desde que te conheci,

não adianta mais esconder
minha vodca, meu uísque,

nem deixar
toda minha cachaça em casa:

só viver
já me embriaga.
(por Filipe Couto)

33 comentários:

Aline disse...

Sempre aqui..

Rebecca disse...

Adorei os dois poemas! É impressionante como os dois são diferentes do que você escreve, mas continuam sendo a sua cara!

Delícia!

Henrique Dias disse...

Passei aqui pelo link do blog do nosso amigo Diego e não me arrependi. Há quarenta minutos tento começar a trabalhar, mas fiquei só lendo seus poemas. São muito bem feitos e emocionantes! Alguns retratam perfeitamente coisas que eu já vivi, outros são engraçados, outros são dramáticos, outros são suaves...
Gostei muito da sua música e estou curioso de saber como vai ficar a melodia dessa letra que você colocou aqui hoje!

aaluah disse...

adoro teus poemas marginais.


embriaguemo-nos de vida!

Wellington Campos disse...

Fala aí, Filipe!

Bateu uma ponta de curiosidade. Quero ouvir a melodia que a Priscilla fez pra sua letra. Assim que puder ser mostrada, avise.

Abraço forte.

Filipe disse...

1 - Aline, sua presença é sempre importante!

2 - Rebecca, que bacana você conseguir enxergar meu estilo em textos tão diversos! Fico feliz!

3 - Henrique, que bom você ter conseguido ler tantos poemas em tão pouco tempo! Quando puder, dá uma refletida sobre eles e conta do que você gostou mais, pode ser? Um abraço grande e seja bem-vindo a este espaço de amigos!

4 - aaluah, também gosto muito de escrevê-los! É bom achar que os aprecie também! Me sinto aprovado!

5 - Wellington, meu caro, também eu estou curiosíssimo! A Priscilla, no entanto, é mega-ultra-super-perfeccionista! O tempo dela é o tempo dela! Mas assim que puder, claro que disponibilizo! Abração!

Renata disse...

Oi Filipe, conheci seu blog a pouco tempo mas como gosto muito de escrever e ler, fiquei apaixonada pelos seus poemas. Espero que você seja muito feliz e continue a dar essas joias pra todos nós.

Renata L.

Vivi disse...

A letra dessa música é linda!!!! Perfeita!!!! Adorei!!!

Mas o poema da Lei Seca é ainda melhor! Por que você não publica esses poemas mais marginais? Tenho certeza que fará sucesso!

Beijo!

Alan disse...

adoro os marginais. sê herói, Filipe!

Teresa Bherger disse...

A-D-O-R-E-I esses poemas! A música vai ficar linda e esse poema na lei seca é fenomenal!

=)

Jéssica Quadros disse...

Chega de sobriedade... rs
Lindos.

Luisa de Bustamante Fernandes disse...

Quero fazer parte do coro: os marginais são impecáveis!

Essa letra de música me fez lembrar uma aula que tive contigo em que você decifrou como ninguém Pedaço de mim, do Chico. Emocionante.

Beijo!

Renata Portugal disse...

Sintético, marginal e é dos que você gosta de fazer. Publique sempre poemas desses; gosto da marginalidade quando ela segue esse sentido.
Sou mais uma que gostaria de ouvir o primeiro poema musicado. "Será que ele sabe que eu paro tudo, até o tempo, e fico até quando ele quiser?"

Parabéns, meu querido!

Eu não saio mais daqui ...

Beijo!

Marcella B. disse...

Resta-nos então brindarmos essa vida marginal e embriaga!

Os poemas estão fantásticos (como sempre).

Marcela Parreira disse...

Perfeitos os poemas..
esse vai ficar perfeito como musica!
amo de mais tudo o que vc escreve..
e eu to morreeeendo de saudades das fortiiiiissimas emoções da nossa literatura!!
Parabéns por se tornar o autor do meu site predileto!

beijos. ;*

Filipe disse...

1 - Renata L., seja bem-vinda!

2 - Vivi, são dicções diferentes, mas com o mesmo estilo, espero. Mais líricos, mais marginais, mais sintéticos, mais longos... =)

3 - Alan, nunca sei medir o tom da ironia no seu discurso! hahahaha

4 - Teresa, obrigado pela força! =)

5 - Jessica, você faz falta por aqui, insisto! =)

6 - Luisa, você se lembra da música! Fico tão feliz!!!! mas a comparação é desmedida, minha querida e exagerada Lu! Fico muito feliz de te ver aqui! =))

7 - Rê, você é importante demais!

8 - Marcellinha, é tão bom você comentando aqui! =)

Filipe disse...

Marcela Parreira, como me deixou feliz ler seu comentário! Estava respondendo às pessoas quando chegaram suas palavras! Vou dormir muito bem hoje!!!

=)

Diego Moreira disse...

Mestre, seu pedido foi atendido. Escrevi "sobre muros, caveirões e remoções" no Geografias Suburbanas.

Passa lá! Abraço!

Filipe disse...

Pra quem não conhece ainda o "Geografias Suburbanas", recomendo a leitura! O Diego é um craque da crônica e da análise crítica! O link está na coluna da direita, na seção "Mais Palavras".

Parabéns, Diegão!

Mari disse...

a-mei!

o imagina é lindo, demais. vou até mandar pra um alguém meu que deve ler... rsrs

e concordo com o alan... seja marginal, seja herói! ;P

os marginais são os melhores.
mais maduros.

é você conseguindo ser doce sem ser pueril.

a-mei!

;*

Eduardo disse...

Tenho vontade de prestar vestibular novamente só pra assistir de novo as suas aulas...

Fantástico, Filipe!

sylvia disse...

Filipe, como ñ comentei no post anterior , quero te desejar parabéns por esse blog q através dele faz com q as pessoas vejam as coisas simples da vida por um ângulo diferente, emocionante e contagiante, e é por isso q essas pessoas dedicam parte do seu tempo para ler “as outras palavras” q vc escreve com tanto carinho , dedicação e mostrando um grande amor pelo q faz .
Adorei o poema “ sobre lei seca”, gosto de poemas sintéticos, poderia publicar outros...
E realmente a vida é uma perigosa bebida alcoólica.....embriaga

Beijos de sua ex aluna
Saudades das suas aulas

Filipe disse...

1 - Maricota, meu amor, tê-la comentando aqui é um prazer pra mim. Tenho-lhe grande carinho e admiração, você sabe! Fico muito feliz de ter rolado essa catarse sua com os marginais, mas não juro que não penso nos meus poemas como mais maduros ou pueris: talvez haja um jogo de velamento e desvelamento do eu-poético nos meus diferentes discursos sim, mas nunca em termos de superficialidade ou pieguice ou utopia ou exagero, como é peculiar a algo pueril. Depois dá uma conferida! ;)

2 - Grande Eduardo! Ler coisas assim dá uma força danada pra mim! Obrigado de verdade!

3 - Sylvia, os poemas mais sintéticos estão sempre por aqui. Sou adepto da tese de que escrever bem é cortar palavras. Perseguir o silêncio é a meta. No entanto, muitas vezes, o texto tem que ser mais longo mesmo: nunca prolixo, é claro, mas longo. =)

Larissa disse...

Couto, não li muito ao longo da minha vida... Gostaria de ter lido muito mais...

Mas definitivamente você é meu escritor preferido!!!!!!

=)

Rafaela Marinho disse...

Filipe, você demora muito pra atualizar o blog, hahaha =)

Fernanda L. disse...

Olá, fiquei um tempo sem vir aqui.
Adorei todos os poemas que publicou nesse tempo.
Adooro seus poemas marginais. Já que gosta de escrevê-los, poderia publicar mais deles, hahaha. Porque no os publica em geral?

Beijos, e parabéns pelos 2 anos de blog e grande sucesso!

Filipe disse...

1 - Larissa, é uma honra ouvir esse seu exagero! =)

2 - Rafa, mas, quando apareço, apareço logo de dois em dois! =P

3 - Fernanda L., obrigado pelo retorno! O problema desses poemas "marginais" é pura implicância minha mesmo! haha!

Nina Fiuza disse...

Que linda a letra da música...
existe ela pra gente escutar?

Nina Fiuza disse...

Que linda a letra da música...
existe ela pra gente escutar?

Thalita Sbragio disse...

Linda a letra da música, a priscila cantando deve ser a coisa mais doce!

Beijos Filipe!
adorei passar por aqui!

Filipe disse...

Nina e Thalita, a Priscilla vai musicar, mas sabe-se Deus quando isso vai ser! hahaha! Prometo que ela tá trabalhando nisso! =)

Laís Sereno disse...

Filipe, está de parabéns, como sempre né?!
Quando sinto saudades das suas aula venho direto aqui para ver os novos poemas...melhor, só se tivesse áudio e pudéssemos ouvi-lo recità-los...

Michelle de Oliveira disse...

Divertida e sensível!...