segunda-feira, 2 de abril de 2007

Poema 1


Sobre Desejos

Que hoje o seu amor não me seja sol,
pois aquilo que ora renova, ora revela,
também desorienta, arde, cega e seca.

Que hoje o seu amor não me seja sombra,
pois aquilo que me acompanha (mas não
me encontra) também me abandona quando
os olhos marejam e o mundo fica escuro.

Que hoje seu amor não me seja bússola,
pois partir sem nenhum rumo talvez
seja o destino oculto de toda viagem.

Que seu amor não seja chegada,
mas partida, e que cada despedida
conserve a gravidade e a ternura
da perda original e definitiva.


(por Filipe C./musicado posteriormente por Priscilla Frade)

10 comentários:

Alan disse...

Couto,
esse tal 'Filipe' que assina o poema é algum sobrinho da Cecília?

abs!

Filipe disse...

hahahahaha!
Obrigado pelo elogio, alan!
Um abraço!

Arthur disse...

Aí Filipe...
mandou bem!!!!
muito maneiro!!!!

abraços

Priscylla disse...

Obrigada pelo prazer, de nao so ver suas interpretacoes de textos e poemas das aulas, mas de ler os seus proprios.
Beijos

Lucas Barrozo disse...

ta apaixonado professor ? Só não me venha falar que é pelo Chico Buarque...

Juliana disse...

Nossa..
lindo esse poema..
não sabia que era poeta..tb
parabéns...pois td o q faz é maravilhoso..
bjao

afmarques99 disse...

Lindo como sempre...

Vou esperar os proximos, já que esperar é tudo o que faço!! Essa jornada de esperar já perdeu a graça. hunf

bjo, drica

Amélia disse...

Simples, bonito, intenso.. perfeito!

Adorei! :)

Um beijo!

Aline Felicidade disse...

Medo novamente...
De achar o amor e se perder por meio dele?
Nos perdemos sim,mas é tão bom!
Quanta desilusão enrustida em seus versos.
Medo adolescente em uma cabeça tão madura.Tão madura que atrapalha e se faz cética pra não sonhar com o amor.

Passa...Com certeza passa.
Um dia a sua donzela te arranca do mundo racional em que vive e te faz viver.Viver de verdade.
Pra sempre.

Anônimo disse...

Nenhum Amor deveria ser bússola,perderíamos o prazer do inesperado,do mistério, da surpresa,do susto; perderíamos a habilidade de criar,de improvisar,de surpreender.
Amar:só emociona quando não há regras,leis,itens,listas.
Assim o Amor dificilmente cega,abandona e passa a ser o sol que arde e queima sem provocar dor.

Mônica Macedo. ( mãe de Elisa Macedo)