terça-feira, 14 de julho de 2009

Poemas 126 e 127

Queridos, entro de férias e, por isso, só volto a atualizar este blogue no dia 11 de agosto. Com esta publicação, disponibilizo também o áudio do poema 49, Sobre Sonhos. Para chegar rapidamente a ele, clique aqui. Beijos e abraços!

Metade

Que o amor
me livre desse peso
de escolher caminhos,

de poder ser
qualquer coisa
em qualquer tempo,

de viver sempre em liberdade.

Que o amor
me consuma até o meio,

e que seja dela
a minha outra metade.

(por Filipe Couto)


Sobre Falsas Liberdades


Teu cheiro, teu beijo, teu abraço:
para onde vão eles
depois que te deixo

na companhia duvidosa
da rua e dos astros?

Por isso, meu amor,
é que te visto
inteira de agora:

é a sina
de quem te quer
livre para a vida,

mas te deseja retida
no peito e na memória.
(por Filipe Couto)

30 comentários:

Luisa disse...

É incrível como a cada dia,cada vez mais lindos e profundos esses poemas se tornam indescritíveis.

Parabéns,Filipe!

Rebecca disse...

"Que o amor
me consuma até o meio,

e que seja dela
a minha outra metade."


Meu Deus... Sem palavras...

Filipe disse...

1 - Luisa, obrigado pela leitura cuidadosa e carinhosa!

2 - Rebecca, também gostei muito do fechamento desse poema! E do outro? Gostou também?

Rebecca disse...

Ai que lindo você voltando a responder os comentários! hehehe

Claro que eu gostei do outro, só que ele é mais difícil, então não bateu logo de cara, tive que ler muitas vezes pra entender... hahaha
Mas adorei a parte:
Por isso, meu amor,
é que te visto
inteira de agora

Beijo, poeta preferido!

Filipe disse...

Rebecca, que bom que você gostou do outro também! E prometo DE VERDADE que vou responder a todo mundo! Pode escrever à vontade! =)
Beijo!

Vivi disse...

O "Metade" é mais um da lista dos preferidos! Você anda inspiradíssimo, poeta!!!

Filipe disse...

Vivi, obrigado! Ainda bem que tô melhorando com a prática, né?! Mas cuidado pra não magoar os poemas antigos: eles ficam sentidos! hahaha
;)

Larissa disse...

METADE é um poema daqueles que deixam a gente com um sorriso imenso no final do texto... SOBRE FALSAS LIBERDADES deixa a gente com cara de bobo com tanta genialidade!
Como você é bom,Filipe!
Estou amando os novos poemas!

Filipe disse...

Larissa, não sei ao certo o que te tocou em cada um dos textos, mas a sua aprovação me é muito importante! Fico grato de você ter me dado esse tempo para meus poemas!
Beijo grande!

Amanda Barcellus disse...

Incríveis esse poemas... acho que são os melhores que eu já li. Não os melhores seus que eu já li. Os melhores que eu já li. Juro que meus olhos se encheram de lágrimas com o "Metade"... Acho que é porque é tudo que eu queria pra mim, sabe?
Obrigado, Filipe...

Filipe disse...

Amandinha, mesmo que exagerados, seus elogios são muito importantes pra mim, viu? E poesia é isso: catarse! Serve pra você mergulhar, se descobrir e emergir mais forte! Que bom ter te possibilitado essa experiência!
Eu é que te agradeço!

Jessica disse...

Um poema como o Metade era tudo que eu queria ganhar de um homem na vida!!!!!!!!!

luizayabrudi disse...

Uma metade como poema era tudo o que eu queria ganhar da vida de um homem!!!!!!!

luizayabrudi disse...

mas que beleza de poemas! que dom pra fazer poemas de amor... a sensação que dá é a memória daquela dor no peito que só o amor incondicional provoca na gente (ou o que a gente acha que é amor incondicional)

Filipe disse...

1 - Jessica, quando menos se espera, essas coisas acontecem!

2- D. Yabrudi, sensacional o jogo de palavras que você fez com as palavras da Jessica! Muito bom mesmo =) Obrigado pelos comentários! Tem coisa nova lá no seu espaço? Beijo!

Matheus Kleinn disse...

O segundo poema é genial como sempre!

Parabéns!

Filipe disse...

Fala, Matheus!
Valeu pela força!
Abraço!

Ana Luiza disse...

"Metade" é a coisa mais linda desse mundo todo...

Quero pra mim!

Filipe disse...

Oi, Ana Luiza! Obrigado pelo carinho!
Beijo!

Tatiana disse...

Mais uma apaixonada por Metade... Perfeito, Filipe!

Vanessa Aguiar disse...

Um dos poemas mais lindos que eu já li. Virei fã de Metade. Coloquei no meu prefil do orkut. Tem problema?
Beijo!

Filipe disse...

1 - Oi, Tatiana, obrigado pelo elogio! Beijo!

2 - Vanessa, claro que não tem problema! É só colocar a referência da autoria que está tudo certo! Beijo!

Livia Fada disse...

Há tanto tempo que eu não passava aqui... Hoje que (finalmente) tive um tempo passei e fiquei encantada com os novos poemas!
Estão lindos demais... =)

Parabéns, mais uma vez, Filipe!
Vou ser pra sempre fã dos seus poemas! =)

Beijão

Renata Portugal disse...

A cada nova atualização desse blog mais romântica me identifico e mais desejo tenho de nao sair daqui. Me entrego nesse mundo das palavras e me encontro realizada.
Essa "Metade" hoje me completou; "Sobre Falsas Liberdades" é incrível, Parabéns!
E que bom foi ouvir "Sobre sonhos" ... LINDO!

saudades querido,
sucesso sempree!!!


beijo grande

Patrícia Silveira disse...

"Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra face.
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite."

diexa..o q é pra sempre, fica.

Bjos Filipe!

Filipe disse...

1 - Oi, Livia! Não deixa de vir por aqui, não, tá? =)

2 - Renata, suas palavras sempre me são um incentivo e tanto! Obrigado por escrever! Beijo!!!

3 - Patrícia, não sei se existe mesmo essa coisa do "pra sempre", mas como é bom acreditar nisso, né?

Martha disse...

Meus olhos se encheram de felicidade com seus poemas...

Obrigada por me deixar fazer do seu blog um refúgio...

Fique com Deus.

beijos,

Martha.

Filipe disse...

Martha, seus comentários é que me enchem de felicidade!
Obrigado!

Nydia Bonetti disse...

Ah, esta tal liberdade... Eterno dilema.

Gosto imensamente da tua poesia, Filipe.

Bom fim de semana! Bjo.

Filipe disse...

Nydia, a recíproca é verdadeira! =))