terça-feira, 13 de setembro de 2011

Poema 154

Há quem da vida
procure apenas retas e brandos ventos,
portos serenos, mananciais de sorrisos.

Eu não.

Gosto é das ondas
que (des)afiam pedras
e fazem tombar navios.

São elas que incitam
o mergulho (preciso);

são elas que emprestam sal
a pele, alma e língua.
(por Filipe Couto)

1 - Para comprar meu livro ("Breves Cantares de Nós Dois"):
http://www.editoramultifoco.com.br/literatura-loja-detalhe.php?idLivro=49&idProduto=49

À venda, também, na Livraria da Travessa e na Blooks (Arteplex-Unibanco)

2 - Para curtir a página do livro no Facebook: https://www.facebook.com/pages/Breves-Cantares-de-N%C3%B3s-Dois/186776411346019

3 - Para me seguir no twitter: http://twitter.com/filipecouto

15 comentários:

Juju disse...

Até que enfim, depois de tanta espera... eis que resurge...
Tava com saudades! bem-vindo de volta!
Cheio de estilo por sinal!
bjux

palimpsestoebrio disse...

A chave: "emprestam sal a pele, alma e língua".

A pergunta: uma? sem acento?

A resposta: dã - claro.

Sem comentários maiores; que a chave, a pergunta e a resposta são o enigma.

Filipe disse...

Salve, professor Katyara, por ter notado a omissão do artigo!
!!
Obrigado pela atenção na leitura!

Carol Selles disse...

Olá Filipe,

Tomei por liberdade copiar seu poema e colocar em meu blog.

Abs.

Ana Clara disse...

Que bom ver um post novo Filipe!!! Fiquei mt feliz em vc ter escrito novamente um poema depois de tanto tempo com o blog parado.
Parabéns pela volta em grande estilo, o poema é lindo!
E pelo visto os leitores também não gostam de retas e brandos ventos em relação ao blog, eles gostam sim é de ondas!!!

Claudio H. S. Barbosa disse...

orra meu, já era sem tempo!!! sempre o mar donde nada se prende. Show de bola!!!

Naty disse...

Lindo! Parabéns, Couto! Pela 21213121 vez! Meus dias ganham um significado diferente quando leio um poema seu :-)
Bjos

Yasmin. disse...

"Gosto é das ondas
que (des)afiam pedras
e fazem tombar navios."

Adorei essa estrofe. Pra mim, ela é uma definição da vida: uma onda que nos muda, molda, ensina e, claro, desafia. A imagem de uma onda tombando um navio me fez pensar em tantas coisas frágeis da vida (como um sentimento, por exemplo) que podem derrubar até a pessoa mais forte de todas. Adorei o poema. Como sempre!!

Anônimo disse...

Lindo Felipe! Estava com saudades de suas poesias. Palavras que tocam a alma, fazem o coração bater forte e fortalecem a mente. beijos em seu coração. Leila Salles.

Anna Amorim disse...

Felipe,

Intensidade sentido de SER!

Beijos,

Anna Amorim

Lina disse...

"Não quero ter apenas o seu mar de água serena
Eu quero muito mais
Os maremotos, os rodamoinhos e os vendavais
Porque a bem da verdade
É só na tempestade que eu me sinto em paz"

Vale a pena ouvir:
http://www.youtube.com/watch?v=j0EOi96M3qk


beijo grande

Thiago Panda disse...

Oi Felipe!
Navegando, assim como sua poesia, encontrei este espaço! De navegação e poético!
Voltarei mais vezes!
Inté!

Cássia disse...

Eu tenho o livro :)
Gosto de passar por aqui !

http://delicatus.blogspot.com.br/ disse...

Aceito visitas...

Blog Poesírios disse...

Que beleza!