segunda-feira, 23 de abril de 2007

Poema 4


Sobre Oceanos

Não me desespera nenhuma dor;

talvez só essa falta de ardor,
esse infinito torpor do mar que me navega;

talvez só esse branco,
triste oceano, labirinto de espera;

talvez só esse silêncio,

vazio do coração, meu pequeno navio sem vela...


(por Filipe C.)

11 comentários:

luiza yabrudi disse...

ARRASOU!!!

não queria encher sua bola... mas arrasou mesmo, colega!

sucesso nessa sua estrada!
(???)

adorei te ver na barô! como sempre dançando mc perla até o chão!

vamos combinar mais vezes, hem??

beijos

luiza yabrudi disse...

ah, merda!

era pra ter comentado no de baixo!
eu gostei foi do de baixo!!!
aaaaaaaaaaaaaaaahhhhh!

Adriana disse...

Porque será que é sempre mais fácil escrever sobre dor, perda e despedidas do que sobre alegria?

O que é alegria, meu deus ? Onde ela está?

beijinho

Rebecca disse...

AAAHHH! QUE LINDO!!!!!
Não sabia que você também era poeta professor!
Agora sim você pode ser metido! hehehee
Falando sério: os poemas são lindos! Gostei mais do antes desse que nem a luiza, mas esse também é muito legal! É triste!
Um beijo prof!

Aline felicidade disse...

Sossega!
Chega de esperar pela vela.Você só será levado pelo barco quando menos estiver querendo navegar.

disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
disse...

Há!
Mas sem um pinguinho de tristeza, não há arte.

Lindos ;)

Juju disse...

Parabéns, professor!!!

Profundo, triste, emocionante.
São todos muito lindos.

Bjuxxx

Mari disse...

Oba! Agora dá pra comentar sem ter blog!
Filipe já te disse lá no colégio, mas faço questão de escrever aqui: vc é maravilhoso!!!!! As coisas que você escreve são impressionantes! Melhores que muitas que a gente vê na apostila! (não me bate! meu braço ainda tá roxo do porradão desnecessário que vc me deu semana passada no pátio!hehehehehehehehe zoa!!!!!)
Um beijo poeta!

T. d'Barros disse...

Parabéns, Filipe!
Seus textos merecem mesmo os elogios que têm recebido. É raro encontrar na internet um trabalho com tanta qualidade, lucidez e sofisticação.
Este poema, inclusive, é dos que nos deixam sem falar, a pensar na existência.
Convido-o a visitar meu blog para que você possa conhecer também o meu trabalho!
Abraços!

Anônimo disse...

lindo, lindo, lindo...como vc...
parabéns, couto! o blog é muito legal!