segunda-feira, 8 de outubro de 2007

Poema 28


Sobre Folhas

Na suave folha
que corta o vento,
tento (sereno) me segurar...

(moro em castelos
de areia, ilhas, poemas:
sei que assim será sempre
um problema conseguir me encontrar)

Mas, ainda que a minha vida
seja uma tola ilusão,
entrego a ela (mesmo sozinho)
todo este meu coração.


(por Filipe C.)

13 comentários:

beirinha disse...

As que parecem ser singelas são as mais fortes... :p
Abração, poeta!

Amélia disse...

Ooooooooh! (Suspiros)
Que lindo!!

"Sobre folhas" acaba de se tornar preferido!

Beijos, Filipe!
:*

Rebecca disse...

LLLLLLLLLLLLIIIIIIIIIIIIINNNNNNNNNNNNNNNNDDDDDDDDDDDDDDDDDOOOOOOOOOOOOOO!

Já disse que sou sua fã? =)

Beijos, poeta preferido!

Anônimo disse...

filipe "sofre" da síndrome da beleza poética, do encaixe métrico, da sinfonia fonética, da semântica cristalina. é refém da catarse lírica.
e com um pouco de silêncio dá pra escutar os aplausos de quem percebe tanta sensibilidade, e rara assim...
mas ele bem que pode virar as coisas um pouco do avesso -talvez (eu nego de pé junto, pra sempre, que fui eu quem deu essa idéia).

vivi disse...

Tão simples e tão bonito quanto os outros, mas mais sincero!
Adorei!

Guilherme disse...

porra ae, esse poema ficou sensacional cara, mesmo.

Ficou muito bonito, como todos os outros

Eu vou fazer um myspace pra começar a publicar os meus também
hahahha

valeu meu irmao , tá de parabéns!


um abraaço !

isabela disse...

Atire a primeira pedra quem nunca tentou se agarrar numa simples folha que corta o vento...

Lindas imagens, poeta!

cezar cavaliere (culturaouquase.blogspot) disse...

Belo texto, apesar de eu achar um tanto quanto piegas. Gosto é gosto, não é mesmo?

Passei aqui pra pedir(se lhe fosse possível) que desse uma olhada no texto que publiquei no meu blog; gostaria de sua crítica, pois essa seria de grande valia para meu aprendizado.

Mais uma vez parabéns pelos textos, e até segunda que vem!
Um abraço

paola disse...

Não pude deixar de me manifestar: que lindo é se entregar a vida mesmo que ela não dê nada em troca!
Parabéns!

disse...

Uma gracinha esse... ;)

Juju disse...

Assunto: poema!rsrsrsrs

O desprender de uma folha nos leva a pensar no fim de um ciclo, de um tempo, de um sentimento, ou pode-se pensar até na renovação. Ela cai para que outra em seu lugar possa nascer.
Mas esse voar calmo dela até que encontre o chão pode, talvez, representar a vontade de impedir a ida desse sentir, tentando agarrá-lo.
Quanto aos castelos, as ilhas e até os poemas (quando escritos em "folhas"), se desfazem ao serem tocados pelas águas (ou até mesmo por este vento). Vê-se, então, esta "tola ilusão" acabar. E depois dela virão outras e outras e outras.
Mas quem disse que não vale a pena, a ela se entregar?

Lindo!Simples!(acho que viajei)!rsrs

Bjuxxx poeta preferido!!!!!

nina disse...

muito bonito!
parabéns!

Michelle de Oliveira disse...

Mil vezes lindo!