segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Poema 26


Sobre Jardins

Por que não estás aqui, ao pé de mim,
pra dividir o peso deste jardim
sem flores que ora vejo?

(é só no teu rosto, e não em outro,
que eu consigo encontrar sossego)


(por Filipe C./ adaptado e musicado posteriormente por Jessica Nogueira)
*"ao pé": junto a; perto de

12 comentários:

Rebecca disse...

Tão simples...tão intenso...
uma delícia esse poema, filipe!

Rê disse...

você é mesmo um poeta brilhante, couto!
adorei esse poema e os outros todos!

Anônimo disse...

LINDO!

disse...

Fui tentar imaginar um "jardim sem flores"... metáfora perfeita.

=)

Amélia disse...

Que bonito!
Realmente, esses "jardins sem flores" costumam pesar muito...

Uma delicadeza, Filipe.
Lindíssimo!

cris disse...

Quanta delicadeza pra falar de uma coisa tão triste... Poema mágico!

Lindo, lindo!

lorena disse...

Perfeito. Ao lado de "Sobre Confissões" foi o que eu mais gostei. =)

Isabella disse...

Simplesmente SEN-SA-CI-O-NAL...

Milena disse...

Amiga do seu irmão (e xerox), acabei parando aqui. E nossa, precisava dizer o quanto eu tô gostando de ler tudo! Doeu o "jardim sem flores", me emocionei e fui às lágrimas com o poema do vovô Couto...
Já vi que ser talentoso e especial é mesmo coisa de família.

Ganhou mais uma leitora, então. Posso? :)

Parabéns!

marina disse...

Ansiosa pelo poema de hoje...

cezar cavaliere disse...

Mais uma vez parabéns pelos textos.
Voltarei aqui mais tarde para ler o desta semana.
Aproveito para deixar, como você me pediu, o link do meu blog.
Um abraço e até segunda que vem!

cezar cavaliere disse...

www.culturaouquase.blogspot.com