segunda-feira, 7 de maio de 2007

Poema 6


Sobre Perdas
The art of losing isn't hard to master
Elizabeth Bishop
porque nada na vida é definitivo
(nem a memória, nem seu sorriso),

aprendi desde cedo a trancar todas as gavetas
e a varrer pra fora de casa certos detalhes
(suas juras, seus vestígios, seus olhares).

nada nesta vida é seguro:
é sempre melhor perder de uma vez tudo
que ser refém de pequenas ausências no futuro...
(por Filipe C.)

19 comentários:

Viviane disse...

Simplesmente perfeito!
Seus poemas são muitos bons!
Deveria divulgar mais!
Parabéns!

Bjooos

Anônimo disse...

Embora esteja bonito o poema, não concordo com ele..
acredito sim que pode haver coisas na vida que sejam definitivas
e as vezes perder tudo de uma vez não é melhor..
as vezes são as pequenas ausências que nos fazem seguir em frente, para um melhor futuro.
Que cada um viva do melhor jeito que acreditar...

Diego Moreira disse...

Pois é, meu caro. Quando elas vão embora o bicho pega. Qual será o destino do 'cabra' que não aprendeu a trancar as gavetas e varrer certos detalhes? Loucura? Ser atormentado incessantemente por olhares, vestígios, juras - lembranças de outrora?

Lembrei de uns sambas onde elas vão embora... Saca só.

Geraldo Pereira - Até hoje não voltou.

"Eu fui buscar uma mulher na roça
Que não gostasse de samba
E não gostasse de troça
Uma semana depois que aqui chegou
Mandou esticar os cabelos
As unhas dos pés pintou
Foi dançar na gafieira e até hoje não voltou

Ela não tinha vestido, sapato que se apresentasse
Eu comprei
Chegou toda errada, falar nem sabia
Fui eu que ensinei
Perdi tanto tempo, gastei meu dinheiro
Fui tão longe à toa
Mas já vi que sou muito infeliz
É melhor eu viver sem patroa"

E Noel Rosa - Pra esquecer
"Naquele tempo,
Em que você era pobre
E eu vivia feito nobre
A gastar meu vil metal
E por minha vontade
Você foi para a cidade
Esquecendo a solidão
E a miséria daquele barracão

Tudo passou tão depressa
Fiquei sem nada de meu
Esquecendo a promessa
Você me esqueceu
E partiu com o primeiro que apareceu
Não querendo ser pobre como eu

E hoje em dia,
Quando por mim você passa
Bebo mais uma cachaça
Com meu último tostão
Pra esquecer a desgraça
Tiro mais uma fumaca
Do cigarro que eu filei
De um ex-amigo que outrora sustentei"

São várias as obras primas inspiradas pelas benditas mulheres que passam por nossas vidas...

Teu poema, meu velho, entrou pro time!

Abração!

Juju disse...

Seus poemas são lindos demais. Uma sensibilidade incrível.
Vocês realmente deveriam pensar na publicação de um livro, escrevem que nem gente grande.
Mas tenho uma dúvida. Você realmente pensa tudo isso ou o eu-lírico pensa diferente de você?
Porque mesmo que não aceitemos, precisamos dos detalhes, pois eles fazem a diferença muitas vezes. Parece que você ou ele tem medo de se entregarem de verdade, de pular de cabeça numa relação.
De sofrer novamente.
Ou talvez não.
Bjuxxxxxx

Anônimo disse...

Perfeito e verdadeiro...infelizmente.
Ah,se as coisas nao fossem assim...

disse...

Tão simples...
Muito fofo!

=)

yasmin disse...

Pessoa encantadora e muito talentosa fará muito sucesso com certeza com suas lindas poesias. Melancólicas ou não, elas tocam a gente e nos enfeitiçam de uma maneira apaixonante. Cada poesia sua encanta mais a nossa vida!

Meu artista, desejo a você muito mais sucesso!

Você ainda está entre os 10 melhores mas pra mim você já é há muito tempo o primeiro (não precisa nem de concurso!).

Continue deixando nossa vida mais bonita com suas lindas poesias!!!

Sua fã número 1

Diego Moreira disse...

Só mais uma reflexão:
Quem nunca dormiu na cama da ilusão?

Filipe disse...

Olá!
Permitam-me algumas palavras:
1 - Obrigado pelos comentários carinhosos e construtivos, pessoal! Eles são importantes demais pra quem está começando, como nós.
2 - Não entendo por que escrever sem assinar... Sei que algumas pessoas são mais envergonhadas, mas aqui, espero, sempre será um espaço para que amigos possam trocar idéias, com respeito e carinho, como tem acontecido. =)
3 - Obrigado pelas contribuições, Diego! E, claro, essa "cama da ilusão" acaba sendo o nosso pouso predileto, sempre, né? E quem disse que não é bom achar que cada relacionamento novo vai ser diferente daquele último que aconteceu? "Deixa eu brincar de ser feliz, deixa eu pintar o meu nariz" (Marcelo Camelo)!
4 - Poemas devem ser usados pra gente pensar sobre as nossas vidas. Lendo-os a gente descobre como agir ou como não agir diante de uma situação. Não existe "gabarito" de comportamento: cada pessoa carrega a dor e a delícia de ser como é... =)
5 - Se eu penso exatamente essas coisas que eu escrevo: em sua grande maioria, não! São histórias que eu vejo acontecendo com amigos, com parentes, com personagens de filmes ou de livros. Raramente escrevo sobre algo que acontece(u) comigo, embora sempre procure escrever sobre aquilo que, de alguma forma, me sensibiliza, como, creio, todos os escritores fazem.
6 - Escrevam mais! =)
Um abraço!

Diego Moreira disse...

Boa, professor!
Cada um sabe a dor e a delícia de ser como é... isso tem cara de Caetano Veloso. Profunda verdade.

Quase sempre deitamos na "cama da ilusão" - só pra citar, esse verso é de um samba-choro do Zé Renato com o Moska.

Gabarito de comportamento?... Não sei se digo 'Quem dera?' ou 'Deus me livre!'... Imagina...

Abraços! E toca o bonde que o blog 'tá' bacana!

Juju disse...

Adorei o comentário.
Obrigada por responder e acredite você realmente merece todos os elogios que está recebendo.

Bjuxxxxx
;D

Zé Gustavo disse...

Já devo estar aqui, na frente da tela há horas, lendo e relendo esse textos maravilhosos e únicos. Não há incentivo maior para aqueles que amam, de verdade, a Literatura, de uma maneira geral. Parabéns, meus caros. Grande abraço e obrigado.

(:

Livinha disse...

"é sempre melhor perder de uma vez tudo"

Esse verso é , na minha opnião, o mais reflexivo do poema. A saudade daquilo q já foi perdido é mais serena, menos desesperadora. Mas a saudade ou mesmo certa esperança q insiste em sobreviver de algo q não foi perdido totalmente dói demais.
Gostei da reflexão q esse poema proporcionou.
Parabéns !!!

Ana Letícia - Leleca disse...

Só uma coisa: aplausos! Você é muito, muiro bom, filipe...O que é o verso "ser refém de pequenas ausências no futuro"?! Impactante demais...



Ah, mais uma coisa: Esse poema da Elizabeth Bishop que você menciona na epígrafe é lindo..Parabéns pelo bom gosto!

Um beijo com saudade...

Viviane disse...

simplesmente maravilhoso...
professor, vc arrasa!!!
Já nos fazia refletir e nos emocionar com a poesia de grandes escritores, e agora, com as suas próprias poesias...

sucesso!

bjuuus e saudades

Adriana disse...

Ainda não foi dessa vez que nós ganhamos um poema ensolarado...

Mas você sabe o quanto eu amo esse seu estilo.

Mas se você não responder meus emails, EU NÃO volto mais aqui!!!!

Fabi disse...

amei, principalmente, a ultima parte...

Amélia disse...

Por não ter comentado antes...

Perfeito, como já te disse.

:)

Helen disse...

Simples, objetivo, maravilhoso. De uma verdade incontestável. =)