quarta-feira, 14 de abril de 2010

Poema 152 - Edição Especial de 3 Anos!

*Volto a atualizar o blogue na quarta, dia 5 de maio!
 
A Luz do Meu Quarto - poema em três movimentos 

1.

Enquanto a noite passava
(toda de sombras vestida),

e no meu quarto te encontrava
(já quase ao sono oferecida),

eis que tudo, num estalo,
plenamente alvorecia.

2.
Alvorecia de uma luz
que ninguém jamais vira

(diferente dessas lâmpadas
que imitam o meio-dia).

Uma luz que é toda branca,
como a areia que se pisa

numa praia bem distante,
onde nada se embacia;

uma luz que não é refém
das horas (que são finitas),

mas senhora do seu tempo,
o que a faz mais feminina.

3.
Essa luz do meu quarto
que tudo mais alvorecia

era tua voz que me dava,
quando “Eu te amo” dizias.
(por Filipe Couto)

Ouça o poema:

1 - Para comprar meu livro ("Breves Cantares de Nós Dois"):

http://www.editoramultifoco.com.br/literatura-loja-detalhe.php?idLivro=49&idProduto=49


À venda, também, na Livraria da Travessa e na Blooks (Arteplex-Unibanco).

2 - Para me seguir no twitter: http://twitter.com/filipecouto

15 comentários:

Liana disse...

Lindo, perfeito, tudo de bom!

Melhor poema que eu já li na vida!!!!

stephanno disse...

Bonitas palavras professor.
A sensação de um "eu te amo" é realmente, indescritível.

Abraços.

Rebecca disse...

Tenho agora um novo poema preferido do meu poeta preferido...!

Lindo!

epichinine disse...

"Luz senhora do seu tempo" é extremamente acolhedor. Belas palavras. Parabéns!
Eliana Pichinine

Lucas Barreto disse...

rolou uma identificação mt grande com esse texto. obrigado!

Matheus Kleinn disse...

Mestre dos mestres! Cada vez melhor! O final do poema me surpreendeu... Parabéns!

Myrella Andrade disse...

Três anos? parabéns :))
mais três anos de poemas não menos que incríveis.
beijos

Beatriz disse...

muito bom ouvir os poemas,parecem ainda mais interessantes.

rosalydias disse...

Filipe!
Adorei a idéia de poder escutá-lo recitando.
Assim, dá p/ matar um pouquinho a saudade!
O poema... MARAVILHOSO! É claro...
Parabéns!
Beijos!

Anônimo disse...

Cara, isso é ultraromântismo!!! "Palida, a luz da lâmpada sombria..."
Tá show de bola!!!

Carolina Marx disse...

Adorei!!!!
Neste poema você usou recursos linguisticos diferentes, com linguagem um pouco mais lânguida e apaixonada, ao contrário do estilo mais comedido de alguns poemas que li e comentei.

Você ainda terá muito o que comemorar, pois seu talento só aumenta a cada verso!

Sinto-me honrada por tê-lo conhecido pessoalmente e tido a honra de ter aulas contigo.

Beijos,
Carolina

Daniel Senos disse...

Esse teu poema é diferente dos outros mesmo, em relação ao estilo... E de uma sensibilidade incrível! O texto está lindo!

Forte abraço mestre!

Sérgio Medeiros disse...

"Alvorecia de uma luz
que ninguém jamais vira

(diferente dessas lâmpadas
que imitam o meio-dia)."

Essa foi a melhor parte pra mim :-)

Nat Vasques disse...

Três anos tocando a alma de muita gente, incluindo a minha, é claro !

Parabééns Poeta tão querido !


Lindo poema !

Gabi disse...

Oi couto,
Seus poemas são incríveis. Uma inspiração, como sempre. Sinto falta das suas aulas na faculdade haha. Estou fazendo letras, mas as aulas da minha professora não se comparam a sua. Amo seus poemas, estou sempre lendo o seu livro.
Grande beijo