quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Poemas 136 a 140

Queridos e queridas, em 2010, este blogue passa a ser atualizado sempre às quartas-feiras com poemas inéditos. A variedade temática promete ser maior: aqueles que me acompanham desde o princípio perceberão, em alguns casos, um tom ainda mais simbólico nos textos. Espero que gostem deste primeiro conjunto a seguir! Beijos e abraços!


Educação pela Terra – meditação em cinco poemas

1.
Não carrego mais
aquele tremor tímido
de rio nos lábios.

Não é o sonho (líquido)
a nossa primaz matéria:

é a terra.

2.
Que ventos e pássaros
desperdicem seus voos:

alma e corpo,
eu aqui me revolvo.

Com ou sem arados.


3.
Para lavrar,
é preciso ter olhos duros;

olhos de ver muito,
de ver fundo;

olhos de não achar.

4.
A terra, se bem trabalhada,
alvorece a cada toque da enxada:
tudo lhe é recente e verdadeiro.

É da terra

viver o instante:
não o claro e derradeiro,

mas este constante-primeiro
(a promessa do devir, o denso nevoeiro).

5.
A terra
em si
se renova.

Ela não precisa ir ou vir,
tampouco migrar ou fugir.

A arte da terra
é poder

(a qualquer dia)
num surto de vida

docemente explodir
.

(por Filipe Couto)

* O título faz referência, obviamente, ao famoso conjunto "Educação pela Pedra", do mestre João Cabral de Melo Neto.

1 - Para comprar meu livro ("Breves Cantares de Nós Dois"):

12 comentários:

Amanda Pereira disse...

Serei sua aluna a partir de semana que vem e já estou ansiosa para ter meu poeta preferido como professor!

Um beijo!

Rebecca disse...

Consegui cumprir minha promessa de só voltar a escrever aqui quando tivesse poema novo! Estou orgulhosa de mim mesma! E de você, poeta!
Lindos os seus textos! Voltou melhor do que nunca! =)
Beijos!

Pedro Henrique disse...

Foda. Simplesmente isso. Foda!

Amanda Barcellus disse...

Fiquei umas duas horas lendo os poemas e me senti revigorada!
Acho mesmo que a nossa missão é deixar um pouco de lado o a água que corre, o vento que sopra para pisar na terra. Aí a gente se concentra no hoje, no presente e sai preparada para um "surto de vida"!
Impressionante o poder das suas palavras, poeta!
Estava com saudades!
Beijo!

Viviane Lemos disse...

O futuro como algo certo e o presente como "denso nevoeiro", "recente e verdadeiro"...
Só um gênio que nem você para pensar numa coisa assim!
Tenho muito orgulho de te ter como colega de profissão e de arte.
Quando eu crescer, quero ser igual a você!!!!
Beijos,
Vivi.

Matheus Kleinn disse...

Filipe, se o João Cabral visse seus poemas, com certeza ficaria orgulhoso!
A mudança de temática ficou muito maneira! Mas ainda dá pra reconhecer o seu estilo!
Abraço!

Lu disse...

"4.
A terra, se bem trabalhada,
alvorece a cada toque da enxada:
tudo lhe é recente e verdadeiro.

É da terra
viver o instante:
não o claro e derradeiro,

mas este constante-primeiro
(a promessa do devir, o denso nevoeiro)."


É o poema mais lindo que eu já li...

Joana Cannabrava disse...

Nossa eu não sabia do seu livro, nunca tinha visto seu blog...
Nossa eu imagino facilmente ao fechar os olhos você falando isso com seu tom tão singular!
Nem preciso comentar que as aulas do terceiro ano foram sempre inesquecíveis...
Mesmo isso tendo sido ha tantos anos!
Parabéns pelo trabalho Filipe!
beijos
sua velha aluna de 2004

www.f-utilidades.com

Gabi disse...

oi couto,
Há tempos nao vinha ao seu blog, amo os seus poemas, eles passam uma mensagem linda e sua criatividade é impressionante. Reli seu livro outro dia e é impressionante como as palavras podem tocar as pessoas e você sabe mexer lindamente com elas, torço para um dia consegui escrever como você. Amei as aulas do terceiro ano, farei letras semestre que vem!

beijos, sua ex aluna gabi

Luisa disse...

Isso é porque o poeta não sabia mais escrever ...

Delicioso,admirável,tocante!

Filipe disse...

1 - Amanda, obrigado pelo comentário e pela confiança em ambos os meus trabalhos! Um beijo!

2 - Rebecca, você não pode faltar por aqui! =)

3 - Pedrão, valeu a força!

4 - Amandinha, é por aí mesmo! Você pegou uma das passagens mais importantes do texto! Fico feliz!

5 - Matheus, contento-me com o reconhecimento de vocês! =)

6 - Lu, obrigado pelo carinho!

7 - Joana, que bom te reencontrar virtualmente depois desses anos todos!

8 - Gabi, excelente escolha profissional! Obrigado pelo carinho com os meus textos! Precisando, estou à disposição! Beijo!

9 - Luisa, delicioso exagero seu! =)

Nydia Bonetti disse...

Que belos cantos, Filipe! Só vi agora.

É preciso cuidar. É preciso regar. É preciso que haja sol.

Este é meu mantra pela Terra. Precisamos cuidar. Beijooos